Blog

Artigos e Novidades

DFTV entrevista Dra Simone sobre Bruxismo

Vamos falar de saúde!

Muitas pessoas rangem ou apertam os dentes, principalmente à noite, na hora de dormir. Isso é um distúrbio chamado bruxismo, um problema que afeta não só os dentes.

entrevista-g1-bomdiadv-dftv-simone-carrara-atm-dtm

Bruxismo é um distúrbio que provoca o ranger ou apertar dos dentes, principalmente durante o sono. E é bem comum. Segundo especialistas, a maioria das pessoas tem esse problema, em níveis maiores ou menores.

As causas não são claras; podem estar ligadas a fatores genéticos, estresse e ansiedade. Os sintomas são variados, um deles é o desgaste dos dentes que começam a esfarelar ou quebrar por causa do atrito. Em alguns casos, o paciente pode sofrer fraturas mais sérias, até a raiz dos dentes.

Em alguns casos, o bruxismo também causa a DTM, disfunção temporomandibular. doença na articulação responsável pelos movimentos da boca. E aí aparecem dores no rosto, na cabeça, nos ombros e na cervical; além de dificuldade para abrir a boca e estalidos ao fazer o movimento.

O problema é que muitas vezes os sintomas se confundem com os de outras doenças e a pessoa nem sabe que tem bruxismo. A Darika sentia muitas dores e procurou vários especialistas até ter o diagnóstico.

“Eu tinha muita dor na cervical, dor no trapézio, na temporal, na nuca. Quando range e tem algum desgaste no dente é mais fácil de associar. Como eu não rangia, eu só apertava e já era um hábito, eu não percebia.”

Ela conta que, com pouco mais de 2 meses de tratamento, as dores já diminuíram bastante. “Melhorou muito, uns 80%. É um alívio enorme. E, como a dor diminuiu, a qualidade de vida é muito melhor.”

 

Veja a entrevista completa clicando na imagem acima ou aqui.

 

 


 

PS: NOTA DE ESCLARECIMENTO

Com relação à matéria sobre Bruxismo [acima], veiculada no dia 07 de Setembro, no DFTV, entendemos que foi de grande valor pois esse tema merece extrema atenção. É grande o número de pessoas que sofrem rotineiramente em decorrência desse mal, e por outro lado a população e os profissionais da área de saúde desconhecem.

No entanto, gostaríamos de esclarecer que é consenso na especialidade que não existe uma correspondência biunívoca entre bruxismo e oclusão. Sendo assim, o tratamento inclui técnicas preservadoras no manejo da patologia e não procedimentos cirúrgicos ou ortodônticos como citado na matéria.

Não devemos usar recursos invasivos baseados no argumento de que dessa forma o paciente elimina o hábito parafuncional. Só utilizaremos técnicas restauradoras para devolver função e estética àqueles pacientes com comprometimento significativo do aparelho mastigatório.

Equipe Simone Carrara